lançamento do blog em mémoria a sebastian Oversluij Seguel

Recebido no email:

cropped-gritando_blog

http://nuncaderodillasblog.wordpress.com/ nuncaderodillas@riseup.net

 

links relacionados: http://cumplicidade.noblogs.org/?s=sebastian

Posted in Chile, Guerra Social, Memoria Combativa, Sebastian Oversluij Seguel | Leave a comment

[México] Fernando Bárcenas condenado a 5 anos e 9 meses de prisão

4e8

Recebido no email:

Preste a completar um ano da sua detenção após uma marcha contra o aumento do preço do bilhete de metrô na Cidade do México (DF), quando uma árvore de natal de propriedade da multinacional Coca-Cola foi incendiada, autoridades mexicanas definiram a sentença penal condenatória ao companheiro Fernando Bárcenas Castillo de 5 anos e 9 meses de prisão pelo delito de “ataques contra a paz pública”, sem direito a fiança.

Em um momento em que o Estado mexicano está intensificando seus métodos repressivos, certamente a sentença contra Fernando procura enviar uma mensagem para inibir os crescentes sinais de descontentamento no país. É por isso que é de suma importância continuar lutando pela liberdade dos nossos companheiros presos, não deixá-los no esquecimento. Continuemos demonstrando que a solidariedade é mais do que palavra escrita.

 Liberdade para Fernando Bárcenas!

Solidariedade com Carlos, Amelie e Fallon!

Liberdade para Abraão e Luis Fernando!

 Abaixo os muros das prisões!

 

 Cruz Negra Anarquista México

 

Posted in Fernando Barcenas, Guerra Social, Mexico, presxs, Solidariedade | Leave a comment

[Atenas, Grecia] Acerca do fim da greve de Nikos Romanos + Comunicado de Nikos.

Retirado de Contra Info e Mandado ao email:

nikos-romanos

Nikos Romanos, prisioneiro anarquista na Grécia, esteve em greve de fome desde 10 de Novembro até 10 de Dezembro de 2014. Os mecanismos judiciais recusaram a sua solicitação de licença para assistir às aulas da universidade. Em resposta a isso, acções multiformes de solidariedade tiveram lugar dentro e fora das prisões da democracia grega e internacionalmente.

Mais do que qualquer outra coisa, foi a urgência da situação a centelha que desencadeou confrontos nas ruas e inspirou instâncias de rebelião por todo o território controlado pelo Estado Grego. Paralelamente, xs companheirxs estavam dispostxs para trocar ideias e desejos durante o mês anterior, assim brotaram um grande número de ações diversas por ocasião da greve de fome deste preso: assembleias diárias, ações com faixas, ações diretas, assim como numerosos fogos postos e ataques com explosivos caseiros (principalmente contra caixas eletrônicos de bancos), ataques comando contra a polícia, tumultos nas ruas e confrontos de grande escala com as forças da ordem, bloqueios de edifícios, atos de sabotagem (com o uso de cola, tinta, etc.), agressões físicas contra as pessoas no Poder, protestos espontâneos contra a aparição pública de políticos, ocupação simbólica de emissoras de rádio e de televisões, uma onda de ocupações de edifícios corporativos/estatais, encontros de contra-informação e grandes manifestações.

A criatividade e conflitualidade das diversas e diferentes individualidades anarquistas e dos grupos pode não ser forte e decisiva o suficiente para manter a luta igualmente intensa a nível diário, mas sempre há uma chance de que novos projectos emergirão do recente encontro de companheirxs em edifícios ocupados, ações de rua, e por aí fora. No entanto, apenas se as pessoas em solidariedade com Nikos Romanos – e xs anarquistas em particular – estiverem dispostas a reflectir sobre os aspectos específicos do que ocorreu durante o último par de dias da sua greve, podem encontrar-se preparadas para a prática de uma muito necessária solidariedade com xs presxs, em face da abertura das prisões de segurança máxima em Domokos, bem como com o total agravamento das condições carcerárias.

Perante a sua solicitação inicial, negada repetidamente e de forma vingativa, o nosso companheiro foi chantageado para aceitar o monitoramento electrónico como uma opção para obter eventualmente saídas educacionais, um “último recurso” que se tornou mais premente tal a rapidez do agravamento do seu estado de saúde. Na verdade, ele optou por parar a greve de fome somente após a parlamento grego ter votado quase por unanimidade (com a excepção de dois deputados do principal partido no poder de acordo com o registo oficial, enquanto os deputados do partido nazi estavam presentes à votação) em favor de uma alteração proposta pelo ministro da Justiça. Esta alteração refere-se aos e às prisioneirxs – condenadxs (sentenciadxs em tribunal) e indiciadxs (aguardando julgamento) – que têm o direito de estudar numa instituição de ensino superior disponível na mesma região que a instituição estatal onde estam presxs, mas que não lhes foram concedidas licenças de saídas da prisão para comparecer regularmente às suas aulas.

Ela especifica que qualquer presx deve participar com sucesso num 1/3 de aulas e atividades de laboratório de um semestre de um ano lectivo através de um curso à distância, para poder ser autorizado a fazer uso de dias de saídas educacionais – através do uso de uma pulseira de monitoramento eletrónico para fisicamente frequentar as aulas. O ministro da Justiça incluiu a prestação da pulseira electrónica no último minuto, assegurando-se que os conselhos de administração (das prisões) ainda possam negar a solicitação de um preso para licença de estudos, ao acrescentar que caso fosse apresentada uma ”justificação especial” poder-se-ia emitir uma decisão negativa (mesmo depois dx presx ter concluído os cursos obrigatórios de ensino à distância dentro dos muros da prisão e até mesmo se ele / ela aceitar ser monitorizadx pela pulseira fora dos muros, presumimos). Esta alteração legislativa aplica-se em todos os casos de presxs sentenciadxs ou a aguardar julgamento que estão privadxs de saídas educacionais (por isso, não é apenas para o caso de Nikos Romanos). Nesta ocasião, quase todos os partidos políticos tiveram um benefício eleitoreiro da promoção de medidas ainda mais repressivas contra prisioneirxs, não perdendo a ocasião para exibir um perfil democrático e humanitário.

Nikos parou a sua greve, após 31 dias, mas ainda está asfixiando por uns sopros de liberdade. Dado o resultado, sabendo que sua demanda ainda não foi clamada, exigimos o que deve lhe ser concedido de imediato: saídas da prisão por motivos educativos. Contrariamente a um sentimento generalizado de “vitória”, sentimos que nada foi ganho para além da vida valiosa de nosso companheiro e a percepção de que devemos responder a todas as chantagens dos lacaios estatistas, não nalgum momento no futuro distante mas agora, através da intensificação de todas as formas de luta contra a sociedade-prisão. Estamos firmemente ao lado dxs presxs em luta e contra a aplicação do uso de teleconferência e monitoramento electrónico como mais um método de isolamento dxs presos do Estado/Capital. Agora, mais do que nunca, a solidariedade com xs prisioneirxs deve passar à ofensiva por qualquer meio necessário.

Comunicado de Nikos apos a greve de fome:

Após 31 dias de luta dura e tenaz eu abandono a greve de fome, tendo alcançado uma vitória significativa. A emenda aprovada pelo Parlamento, cujo único destinatário sou eu, teve diferenças significativas em comparação com as declarações iniciais do Ministro da Justiça, aceitando finalmente a minha exigência (pedido), inclusive se isso signifique que eu use uma “pulseira” eletrônica.

A única coisa que é certa é que esta vitória foi o resultado da pressão política exercida por nós, por isso o mundo da luta e a anarquia combativa são, sem dúvida, ética, política e praticamente, os grandes vencedores. Esta luta revolucionária polimórfica, e nós, como presos políticos, estamos saindo mais fortes desta batalha.

Levanto meu punho enviando minhas mais calorosas saudações e meu amor incondicional a todos aqueles companheiros que estiveram ao meu lado por todos os meios!

 Solidariedade com os presos políticos. Viva a anarquia.

 PS1: Vamos difundir um comunicado detalhado nos próximos dias.

PS2: Quero agradecer também a todos os médicos do hospital, que se recusaram a sucumbir à pressão do Ministério Público para aplicar a alimentação forçada, e que me apoiaram em tudo o que podiam.

O texto em grego:

https://athens.indymedia.org/post/1536760/

O texto em castelhano:

http://verba-volant.info/es/el-comunicado-de-nikos-romanos-que-pone-fin-a-su-huelga-de-hambre/#more-9260

 

 

Posted in grecia, Greve de Fome, Guerra Social, Nikos Romanos, presxs, Solidariedade | Leave a comment

Urgente mais prisões no Rio

Fotos-da-Prisao-de-Bangu-1-FOTO-PRINCIPAL

Retirado de CNA-RIO.

A Polícia civil (DRCI) executou na manhã dessa quarta feira mais prisões às pessoas perseguidas por mobilização política desde junho até a copa do mundo. Igor Mendes foi preso de manhã em casa E JÁ SE ENCONTRA PRESO EM BANGU. A informação até agora é de que outros 3 mandatos foram expedidos para Moa, Gabriel e Sininho, que se encontram foragidxs. Não se sabe o motivo das prisões, especula-se que a acusação seja o descumprimento de alguma exigência do Habeas Corpus, como a interdição de mobilizações políticas.

BASTA DE PERSEGUIÇÕES!

LIBERDADE JÁ A TODXS XS PRESXS POLÍTICXS!

PELO FIM DOS PROCESSOS! VANDALO É O ESTADO QUE ASSASSINA NOSSO POVO!.

Posted in Copa do mundo, Guerra Social, presxs, Rio de Janeiro, Solidariedade | Leave a comment

[Argentina] Confira a programação completa da Feira do Livro e Difusão Anarquista de Buenos Aires

afichefbsa

Mandado ao email:

O estacionamento da Faculdade de Ciências Sociais da UBA (Marcelo T. deAlvear 2230) recebe neste fim de semana (6 e 7 de dezembro) a Feira doLivro e Difusão Anarquista de Buenos Aires. O evento reúne palestras,debates, literatura, música, dança, teatro e cinema. Confira abaixo aprogramação completa.

 Sábado, dia 6:   

• 12h – Abertura da Feira, as metas coletivas comuns.  

• 13h – Encontro de editoras anarquistas. 

• 14h – Encontro de tradutores de material de difusão anarquista. 

• 14h30 – Apresentação do livro “Anarquismo en movimiento”, por Martín Albornoz (Livros de Anarres).

• 15h – Apresentação do livro “La peste, la bestia y el monstruo”, por Aníbal D’Auria (Livros de Anarres).

• 15h30 – Rebelión.

• 16h – Flores Negras (Butô).

• 16h15 – Apresentação do livro “En ese sitio maldito donde reina la tristeza” (Assembleia Anti-especista de Madri).

• 17h – Apresentação do livro “La Cerda Punk” e palestra sobre feminismoanarquista.

• 18h – Lutas Anarquistas em Tucuman.

• 18h30 – Apresentação do livro “Historias y relatos en torno a las luchas sociales de los anarquistas en el movimiento obrero”, por O. Torrado.

• 19h30 – “Tras la Cresta de La Ola”, (Editorial L’Anomie) apresentaçãodo livro e palestra-debate.

• 20h30 – Apresentação do livro “Viva la Dinamita”, por Marc Viaplana.

• 21-23h – Intervento.

Domingo, dia 7:

• 10h – Oficina de dança Butô.

• 12h – Encontro de Bibliotecas anarquistas.

• 13h – Encontro de Espaços anarquistas. 

• 14h – Apresentação de brochuras de casos de presos políticos em território chileno.  

• 14h30 – “Histórias e palavras de apoio para esta luta pelos companheirxs anônimxs. Procurando que viva a anarquia”.

• 15h – Devastação/horizontalidade na Luta pela Terra.  

• 16h – Reflexão: “As categorias clássicas do pensamento emancipador permanecem intactas?”, por Hernún.

• 17h – Obra de teatro “El juicio”, de Emile Henry.

• 17h15 – Apresentação do livro “Siglo y Medio de Anarquismo”, por Osvaldo Escribano.

• 18h – Apresentação do livreto “Mundo Mundial Mundalizado”.

• 18h30 – Fórum: Atualização da situação anarquista no Cone Sul.

• 20h – FAAC de Police: o caso de Bruno Schell e trabalho sobre desaparecidos na democracia. 

• 20h30 – “Nunca Digas Nunca”: um documentário sobre desaparecidos na democracia.

• 22h – O fogo e a palavra Rap.

• 22h30 – Fechamento. 

fdlabsas.noblogs.org

 

 

Posted in Argentina, Eventos, Guerra Social | Leave a comment

Surge o CLAPA. Coletivo Libertario de Apoio aos povos amerindios

images

Mandado ao email:

Galera, Estamos lançando o blog do CLAPA (Coletivo Libertário de Apoio aos Povos Ameríndios). Uma das nossas idéias é criar redes de apoio e conexões por todo o continente. Nosso apoio com os grupos ameríndios se baseia numa afinidade tanto por uma luta continua contra a civilização tanto pelas formas de viver e se relacionar com os outros (sejam humanos ou não humanos), formas de relação que entendemos como fonte de aprendizagem. É nesse sentido que nos afastamos das politicas de assistencialismo e integração promovidas pelas instituições estatais e também pela maioria das ONG que acabam reproduzindo e perpetuando logicas coloniais. Nosso caminho é o da luta contra a civilização, sabemos que nessa luta, existem muitas vias. Estamos abertos para as contribuições de vocês,já que, a proposta sendo muito nova, nos falta ainda contatos de outros grupos de apoio e informações respeito ás lutas que os povos ameríndios estão enfrentando…

Saúde, Revolta e Harmonia!

CLAPA, 26/11/2014

Para entrar no blog: http://clapa.noblogs.org/ e para ler as primeiras palavras: http://clapa.noblogs.org/sample-page/

Posted in Contra-Informação, FLT, Guerra Social, Luta Indígena, Luta pela Terra, Solidariedade | Leave a comment

Santiago: Sabotagem em memória de Sebastián Oversluij e pela liberdade de Tamara Farías

Retirado de ContraInfo:

Panfleto

Através deste mail reivindicamos um bloqueio da linha férrea do comboio de mercadorias na província de Talagante (Santiago) na 4ª feira, 26 de Novembro, com destino a San Antonio (V região), utilizando pedregulhos e entulho; depois de ter sido bloqueada a linha, com uma altura já considerável desses pedregulhos e entulho, incendiámos vários pneus a cerca de 50 metros da barricada construída. Por fim, deixamos panfletos pelo nosso irmão caído em combate, Sebastián Oversluij e pela liberdade da companheira Tamara Farías.

Hoje, tal como noutras ocasiões, decidimos agir contra uma das muitas ferramentas deste sistema de dominação e exploração – neste caso com uma sabotagem cujo alvo é um sector desta imensa maquinaria do capital e do poder que se reflecte no fluxo das mercadorias que este sistema transporta de lés a lés das suas cidades, cidades essas construídas em benefício da sua própria reprodução.

Através desta ação recordamos o companheiro anarquista Sebastián Oversluij que, em conjunto com outrxs anónimxs, decidiu expropriar um Banco Estado, na comuna de Pudahuel, no dia 11 de Dezembro de 2013, acabando este assalto por ser frustrado pelo bastardo William Vera – esse filho da puta – que resolveu voluntariamente cuidar dos interesses do capital e sem hesitar disparou contra o nosso irmão, o qual com rebeldia empunhou a sua metralhadora e abriu fogo, sem hesitar. Lamentavelmente, os tiros do bastardo foram certeiros o que ocasionou a morte do nosso irmão – a morte em combate.

Recordamos estes dias com tristeza e ódio, mas não podemos esquecer o seu grande arrojo, não esquecemos as suas contribuições à luta anárquica. Manteremos a nossa memória como arma e transformá-la-emos em ação, faremos da teoria uma prática contra o poder em qualquer das suas formas. Faremos com que as tuas últimas rajadas se convertam em semente de insurreição.

Desta forma, fazemos também uma chamada ao entorno anarquista/anti-autoritário para se comemorar o primeiro aniversário da morte do nosso companheiro com fogo e rebelião- não esquecendo xs nossxs mortxs em combate no desenvolvimento da guerra social – é necessário levar a cabo ações de todo o tipo para agudizar continuamente o conflito, sempre presente, contra toda a autoridade.

Entendemos a solidariedade como a constante posta em prática das nossas ideias revolucionárias, em todas as suas formas, as que fazem entender ao inimigo que aqui nada termina, que tudo continua, na prisão ou na rua. A partir do local onde se estiver: nem um minuto de silêncio e toda uma vida de combate”.
Mónica Caballero, Francisco Solar.

Saudamos xs companheirxs que tomaram a iniciativa de acionar de múltiplas formas, as “Semanas de Agitação e Solidariedade Anticarcerária”. Neste contexto, a sabotagem realizada vai também dedicada à companheira Tamara Farías que enfrenta neste momento uma nova etapa do processo judicial contra si, após a terem acusado de disparar contra um vigilante de um Banco Estado.

A partir do nosso círculo, sabemos que a companheira enfrenta com frontalidade e dignidade a prisão e as sessões de julgamento que se avizinham, por isso continuamos a solidarizarmo-nos através de ação semelhante e de múltiplas formas mais. Agitaremos e conspiraremos até conseguir a sua liberdade e, por suposto, a de cada companheirx subversivx encarceradx nas masmorras do Estado/Capital.

Para além da ação em si, cremos que os ataques e sabotagens têm que ir acompanhados de um trabalho quotidiano e dedicado, com a intenção de projetar ideias/práticas de libertação total às consciências ativas e anarquistas. Isto porque
acreditamos que é necessário que mais companheirxs afins se juntem a projetos antagónicos ao capital, contribuindo à luta subversiva da forma que entendam, por exemplo: em bibliotecas, atividades, revistas, encontros, cartazes, faixas ou qualquer outra instância – a imaginação não tem limites – é importante expandir as ideias/práticas anarquistas com a intenção de que se repliquem, para desta forma nos convertermos numa real ameaça ao Estado/Capital.

Falando com clareza, é necessário que os projetos públicos ou anónimos tenham segurança e uma coordenação que permita a combinação destes para atacar o poder em múltiplas facetas, propagando as ideias revolucionárias e levando-as à prática no ataque e na sabotagem – não nos interessa ficarmos só pelos livros.

Anteriormente, nomeámos vários exemplos de contribuição à luta subversiva; algo essencial para nós (e que nos acompanha sempre) é a solidariedade revolucionária, cremos que é necessário projectá-la num apoio concreto – simbólico e material – aos/às nossxs companheirxs que se encontram presxs através de ações, na guerra que se declarou abertamente contra todo o aparato de coersão.

Não podemos deixar sózinhx ninguém que compartilhe as nossas ideias/práticas e que tenha realizado ações sem titubear – mas que lamentavelmente, por algum erro ou sorte da polícia, tenha caído na maldita prisão. Mas jamais de cabeça baixa, antes sim caminhando decididamente de cabeça erguida, sorrindo, dignxs, zombando da autoridade, mantendo as suas ideias com firmeza, projetando-as fora dos muros aquelxs que continuem na luta.

Para finalizar, cremos que cada uma das ações realizadas é uma contribuição à luta anarquista. Levantar projetos que se mantenham no tempo – com a intenção de expandir as ideias/práticas de libertação total e a solidariedade revolucionária com xs nossxs companheirxs na prisão – deixando de lado a linguagem do poder, sem reconhecer culpáveis ou inocentes; aqueles, seriam a base para a construção de um entorno em coesão – que resista aos embates do poder e que possa enfrentá-lo de forma firme, sem vacilar, sem arrependimentos nem desculpas nesta guerra declarada, encaminhando-a desde a frente escolhida.

Solidariedade revolucionária com Tamara Farías!

Sebastián Oversluij: Presente na luta Anarquista!

Que a tua última rajada se converta em semente de insurreição!

Grupo Anarquista Coordenado – GAC.
Bando Organizado Mauricio Morales / Célula Incendiária Sebastián Oversluij.

Posted in Chile, Francisco Solar, Guerra Social, Memoria Combativa, Monica Caballero, presxs, Sebastian Oversluij Seguel, Solidariedade, Tamara Sol Vergara | Leave a comment

[Chile] Tamara Sol à rua!

Recebido no email:

tamara_sol-rebelde

No 4º Tribunal Oral no Penal, e em data ainda por definir, se iniciará ojulgamento contra a companheira Tamara Sol Farías Vergara, prisioneira fazquase um ano no cárcere/centro de extermínio de San Miguel, sob asacusações de homicídio qualificado frustrado e furto simples consumado.

Assim foi fixado após a audiência de preparação do julgamento oral que serealizou nesta segunda-feira, 24 de novembro, em Santiago, oportunidade emque a parte acusadora e a defesa de nossa companheira apresentaram asprovas testemunhais, periciais, documentais e evidências materiais quefarão parte do julgamento.

O fato concreto é que, a solicitação da defesa de Tamara Sol – a cargo dosadvogados Margarita López e Nelson Miranda -, o tribunal excluiu a quaseuma dezena de testemunhas (de um total de 28) apresentados pelo MinistérioPúblico, em sua maioria esbirros do 0S-9 e funcionários da sucursalbancária, vários dos quais nunca foram testemunhas diretas dos fatos que seimputam à companheira.   Assim também, o tribunal acolheu a petição da defesa de excluir outroselementos de prova documentais, periciais e materiais apresentados pelaPromotoria e pelo representante do BancoEstado, parte requerente particularno caso. Ainda que o anterior gerou otimismo na defesa, assim deve primar acautela.

Apoio incondicional

A audiência de preparação do julgamento realizada nesta segunda-feira,esteve marcada por uma numerosa presença de companheiras e companheiros quedesde o primeiro momento expressaram sua solidariedade e apoio a Tamara Sole a sua família. Desta vez não foi diferente. Muitas e muitos dos que hoje concorreram até o maldito Centro de Justiça, deixaram de lado suas atividades para estar presentes, apoiando a companheira nesta decisivainstância.   Prova dessa incondicionalidade foi o que se manteve do lado de fora da salaonde se realizou a audiência, apesar da caprichosa restrição de ingresso ordenada pelo juiz, que só autorizou o acesso a cinco pessoas.   Apesar disso, nossa querida Tamara Sol sentiu a companhia desde o exterior.

Em seu lindo rosto e seu sorriso pudemos sentir sua energia e a força com aque vem assumindo estes meses de prisão, com a dignidade que lhe caracteriza.   Agora vem a etapa decisiva. Nos próximos dias deverá ficar definida a datade início da audiência oral, assim como o trio de juízes que integrarão otribunal.

O chamado então é para continuar com a solidariedade ativa, atéconseguir a liberdade de Tamara Sol e de todxs nossxs companheirxs refénsdo Estado e seus cárceres.

Tamara Sol à rua!

Liberdade a todxs, xs presxs libertários, subversivos e anticapitalistas!

   Villa Francia, Santiago, 25 de novembro de 2014.

Posted in Chile, Guerra Social, Memoria Combativa, presxs, Solidariedade, Tamara Sol Vergara | Leave a comment