[Argentina] Atualização sobre o caso Santiago Maldonado

Marimari! A seguir, informações sobre o caso Santiago Maldonado que chegaram esta noite (09/08 – 22h15) desde Esquel, Chubut.

Cortiñas recebeu testemunhos de Mapuche que asseguram que Santiago Maldonado foi detido pela Gendarmeria

A presidenta de “Madres de Plaza de Mayo Línea Fundadora”, Nora Cortiñas, visitou esta quarta-feira a comunidade Lof Resistência Cushamen, em Chubut, onde seus integrantes lhe mostraram o lugar e o modo em que segundo denunciaram, efetivos da Gendarmeria detiveram e subiram a um veículo ao jovem Santiago Maldonado em primeiro de agosto, desde quando está desaparecido.

Junto a Cortiñas percorreram o prédio Roberto Cipriano e Sandra Raggio, da “Comisión de la Memoria” da província de Buenos Aires, que apresentaram um habeas corpus pouco depois da desaparição, além de Télam [agência de notícias] e meios de imprensa locais.

Os mapuches – a maioria com seus rostos cobertos – descreveram o operativo da Gendarmeria desse dia, no qual acusaram a força de queimar-lhes uma casa e diversos elementos, fazer disparos de balas de borracha e de chumbo, e sequestrar Maldonado.

Indicaram que esse fato ocorreu pela manhã à altura do primeiro acesso à comunidade, em uma borda que baixa ao rio Chubut, em um setor no qual a costa está muito fechada por árvores e ramas, por onde escaparam os homens para não serem detidos.

Indicaram que todos conseguiram cruzar o rio e correr pela estepe, menos Maldonado, que ao ver a cena pegou sua mochila de um posto da entrada e correu atrás dos mapuches, mas não se atreveu a cruzar o caudaloso curso de água e se escondeu entre as ramas.

Acrescentaram que os gendarmes o descobriram e o arrastaram acima da borda, onde o pegaram e o subiram a um unimog [caminhão off-road], o que três deles conseguiram ver desde a costa oposta, com boa visão.

Logo assinalaram que o veículo saiu à rota nacional 40 para transitar uns dois quilômetros ao norte, onde está a segunda entrada ao Lof, para transferir Maldonado a uma camionete oficial da força, cena que taparam com uma dupla fila de gendarmes, que se foi do lugar rumo a Esquel, até o sul.

Segundo este relato, desmentido pelo juiz federal Guido Otranto, que ordenou o operativo, no dia seguinte chegou a polícia de Chubut com um cachorro rastreador, que marcou “exatamente” o caminho percorrido pelos gendarmes e Maldonado, entre o rio e a parte alta da borda, e detectou uma viseira e um “cachecol” que pertenciam, como o confirmaram ao irmão da vítima, Sergio.

“Os senhores devem agregar estes testemunhos, são muito valiosos, e Otranto deve constituir-se no lugar para levar a sério a investigação, porque até agora olhou para o outro lado”, afirmou Cortiñas, que também questionou o trabalho da promotora Silvina Ávila.

A dirigente insistiu na sugestão ante as dúvidas dos mapuches, que expressaram não confiar na justiça nem nas forças de segurança: “quantas testemunhas desapareceram ou morreram? Que garantia há se a comunidade decide apresentar estes testemunhos?”, expressou um deles.

Cortiñas lhes explicou que as entidades geraram uma rede de comunicação nacional e internacional para denunciar o “desaparecimento forçado” de Maldonado, o que “dará todas as garantias que se necessitam”.

Cipriano agregou que tentam que se retire a Gendarmeria do lugar, presente com um coletivo, dois móveis e mais de 15 gendarmes, cuja presença “resulta intimidante e dissuade aos que poderiam prestar seu testemunho, além de obstaculizar a investigação”.

Sergio Maldonado e sua esposa Sandra Antico também viajaram hoje a Esquel para acompanhar as gestões dos dirigentes ante autoridades judiciais, e anteciparam a Télam que irão amanhã à comunidade.

Por sua parte Cortiñas e Cipriano tem previsto esta quinta-feira ir ao cárcere federal de Esquel para visitar a Facundo Jones Huala, lonko (autoridade máxima) do Lof en Resistência do Departamento de Cushamen.

This entry was posted in Argentina, Guerra Social, Luta Indígena, Luta pela Terra. Bookmark the permalink.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *