Chile: Árvore de natal gigante é incendiada em Santiago:um jovem é detido por tentativa de homicídio

Mandado no email:

15321331524933_676922332358112_718682648_n

Comunicado:

Companheiro está sob custódia por homicídio frustrado contra merda uniformizada

Às 23h40 da última sexta-feira (20 de dezembro), um grupo de aproximadamente 20 encapuzados realizou um corte [uma intervenção] de rua desde a Universidade de Santiago do Chile (USACH), especificamente na saída da rua Matucana com Romero. Uma vez que a polícia começou a se movimentar, um grupo se mobilizou até a entrada principal da universidade, na esquina da Alameda com Matucana, onde, além de cortar a rua principal, foram lançados diversos coquetéis molotov contra a árvore de natal que anualmente fica em frente do Shopping Estação Paseo. A ação foi reivindicada como um ataque ao consumo massivo que toma conta nas chamadas “festas de fim de ano”. Além disso, com o ato, também foram lembrados presos políticos e companheiros caídos na luta, entre eles Sebastián Oversluij.

Durante os distúrbios, um esquadrão das Forças Policiais Especiais [Carabineros] arremeteu contra os encapuzados, conseguindo deter nove deles. No dia seguinte, por volta das 14h e com um sala repleta de policiais (6 deles uniformizados) e jornalistas, foram formalizados os nove companheiros (em sua maioria de 19 anos) detidos por distúrbios graves. Eles foram defendidos por membros da Defensoria Popular Washington Lizana e Maria Rivera. Todos ficaram com “assinatura quinzenal”, exceto o companheiro Felipe Adasme Troncoso, de 19 anos e estudante de Química da USACH. Felipe foi formalizado por distúrbios graves, infração a Lei de Armas e Explosivos (por supostamente transportar 12 bombas de gasolina e uma faca) e tentativa de assassinato de um policial. Isto porque segundo declararam os esbirros, foi Felipe que, quando foi preso, esfaqueou o miserável das Forças Especiais que tentou abatê-lo e ficou levemente ferido. Devido a isso, Felipe está sob custódia, pelo prazo de duração do período de investigação.

This entry was posted in Chile, Guerra Social, Memoria Combativa, presxs, Sebastian Oversluij Seguel, Solidariedade. Bookmark the permalink.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *