Relato da Feira Anarquista do Distrito Federal

tumblr_nfg0240OuL1u03gnro2_1280

Mandado no email:

A Feira Anarquista do Distrito Federal aconteceu nos dias 15 e 16 de novembro, no Conic, situado na região central do DF. O intuito era apresentar um outro tipo de anarquismo, mais propositivo e prático, a partir da experiência e da diferença, além de oxigenar e movimentar a região. A composição da programação contou com o encerramento de ambos os dias com a participação do Preta Bandêra, grupo de estudo e prática de jongo, de Santo André (SP), juntamente com o lançamento do zine “Anarquismo Negro e mais textos de liberdade negra”, por Abamodá, questionando as referências anarquistas brancas e europeias a partir da visibilidade à resistência dos povos afroindígenas no nosso contexto.

Houve também o lançamento/debate do zine “Estratégia: coletivo – espaço – território”, proposta de organização anarquista, que traz uma discussão sobre horizonte político e como isso deve pautar as ações de coletivos para uma ocupação territorial anarquista, partindo de uma transformação cotidiana, no sentido da micropolítica para a macro.

Na exposição/debate “Lidando com os inimigos internos de coletivos anarquistas” foram discutidos problemas comuns a vários coletivos e espaços libertários que se extinguiram e o que podemos propor para alcançar a durabilidade deles, sem perder de vista um processo geracional nas nossas ações.

Outra atividade que chamou muita atenção foi sobre “Anarcofeminismo e a institucionalização do feminismo”, em que foram expostas resistências pós-coloniais, o contexto da luta rural e indígena de mulheres na Nicarágua, as pautas do feminismo negro e a sua relação com o feminismo hegemônico. Diversas mulheres negras presentes se sentiram à vontade para problematizar a questão de raça no meio anarquista e feminista e o debate foi muito enfático na reflexão sobre silenciamento de minorias em espaços libertários.

“A impossibilidade da saúde individual” evidenciou os conceitos de doença e de capacitismo (discriminação, opressão e abuso advindos da ideia de corpos considerados “não-capazes”, aqueles com “deficiências” ou “doenças” crônicas) relacionando-os com uma necessidade do sistema de controle e adequação dos corpos para a produção e o consumo e o quanto isso socialmente é confundido com o cuidado.

No contexto do DF, a feira foi um evento que aproximou algumas pessoas que já possuíam uma militância autônoma e outras que tinham um interesse prévio no anarquismo, mas ainda não sabiam ao certo como participar e conhecer mais profundamente as iniciativas, discussões e os materiais de cunho anarquista.

Coletivo (A)narquista Anu  coletivoanu.noblogs.org

Mais fotos: registroresponsa.tumblr.com

This entry was posted in Brasilia, Eventos. Bookmark the permalink.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *