[França] Solidariedade com Damien Camelio

Solidarity-with-Damien-1024x79210432143_650707675015212_5989265633525508803_n

Nota de Cumplicidade:

Para mais informações sobre a situação e a postura de Damien aqui. Vale ressaltar que umas das reivindicações que ele fez durante a sua greve de fome durante 15 dias em abril desse ano foi

            – A liberação de Noelia Cotelio Riveiro*

            – A liberação de Monica Caballero

            – A liberação de Francisco Solar

 *Noelia leva 5 anos em prisão, caiu primeiro por dois anos e quatro meses por ter roubado um carro mas sua rebeldia frente às humilhações e os maus tratos dos carcereiros alargou a sua pena. Esteve presa no regime FIES. Um pouco como Xosé Tarrio, ela afirma que “se formou” na prisão onde se tornou anarquista. Mais infos sobre o caso de Noelia, aqui. E Para escrever para ela:
Noelia Cotelo Riveiro
CP Brieva. Ávila
Ctra de Vicolozano
05194

Comunicado:

Diversos grupos anarquistas denunciaram publicamente as duras condições nas quais se encontra o preso francês Damien Camelio, assim como o trato degradante que sofre no cárcere em Mont de Marsan. Para começar, são retidas as publicações legais que assinou. Da mesma forma, retêm numerosos livros que são enviados para ele. Todas as solicitações de acesso aos ginásios, a realização de estudos ou regime aberto foram negadas.

Damien Camelio é o único preso político de seu edifício e este isolamento faz com que suas condições de detenção sejam ainda mais difíceis. Em maio passado, depois que a administração da prisão abriu “por engano” uma carta confidencial de um advogado, já haviam passado 6 noites seguidas de privação do sono: lanternas, alarmes, o ruído incessante… Em seu informe de 19 de abril de 2012, o Comitê Europeu para a Prevenção da Tortura (CPT) denunciou a prática de controlar a certos detidos por despertar-se várias vezes a noite devido às “consequências adversas para a saúde dos presos”. Da mesma maneira, por ordem de 18 de abril de 2014, o juiz do tribunal administrativo de Limoges ordenou a suspensão do sistema de vigilância à noite que foi imposto desde junho de 2013.

A penitenciária de Mont de Marsan, inaugurada em novembro de 2008, é uma destas novas cadeias onde a tecnologia desumanizante e as condições de segurança condicionam o detido como um simples objeto, geram violência e dramas humanos. Em sua última carta, Damien Camelio ressalta especialmente que “as alas probatórias são conhecidas por ser o pior. Todo mundo quer sair fora destas alas, garotos preferem inclusive isolamento. Todos os que foram mortos ou quase morreram, ficaram nessas alas. Um rapaz de 19 anos morreu aqui há pouco – é o quinto em dois meses. Vi um cara arrancado as suas veias, porque não podia suportar o tratamento que sofreu. Houve outro homem que cortou o seu próprio dedo com uma faca e que arrancou os dentes para enviar ao fiscal para que fosse transferido.

Damien Camelio foi detido no último mês de fevereiro em Tarbes (França) junto a Abaier González, ambos parte dos conhecidos como “os 5 de Barcelona”. A polícia que os aplicou a lei antiterrorista os acusa de formar parte do GADI (Grupos de Ação Direta Internacional) e de serem os responsáveis por vários atentados levados a cabo em Tarbes e Pau contra um edifício da brigada paraquedista do exército francês; a prisão de Tarbes e uma igreja em Pau, onde se juntam e usam como base membros destacados da Frente Nacional.

Para apoiar Damien, pode escrever-lhe (entende castelhano):

Damien CAMELIO n° 5057 Centre de détention de Mont de Marsan Chemin de Pémégnan BP 90629 40006 MONT DE MARSAN CEDEX – França

 

 

This entry was posted in Espanha, França, Guerra Social, Memoria Combativa, presxs, Solidariedade, Xosé Tarrio Gonzalez. Bookmark the permalink.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *