Alfredo Bonanno é proibido de entrar no México

578127

Alfredo Bonanno ou o anarquismo de práxis do século XXI

“As práticas de ação direta são agora o corolário dessa bagagem conceitual rejuvenescida. Cara a cara contra o inimigo, sem mediação nem órgãos administrativos: está aí a divisão e a insígnia de uma prática de intenção, orientação e potencialidade anarquista”. Rafael Spósito (Daniel Barrett)

Exatamente quatro anos, três meses e 22 dias atrás, recebi um telefonema de um afetuoso companheiro me comunicando a infeliz notícia: o querido Alfredo Maria Bonanno, havia sido preso depois de uma expropriação desmantelada na cidade de Trikala, no norte da Grécia. Hoje, tive uma breve conversa por telefone com o compa Alfredo que me deu a mesma raiva e impotência que aquela trágica chamada. Em meio aos gritos e as expressões espetaculosas dos repressores que ordenavam a desligar o telefone, ele me informou que as autoridades da imigração lhe tinham impedido de entrar no território dominado pelo Estado mexicano, declarando-o “persona non grata” por sua suposta “periculosidade” e “antecedentes criminais”, motivos pelos quais foi deportado para a Argentina. Apesar do pouco tempo que pudemos conversar senti em suas palavras concisas a força de um irredutível. A primeira coisa que eu perguntei é como estava o seu estado de saúde, e ele disse que estava tudo bem. Enfurecido, somente consegui dizer é que lamentava muito a decisão destes merdas filhos da puta e me respondeu otimista, com a serenidade e condição reflexiva que o caracteriza: “é lógico que isto acontece com a gente”. Sim, com estas palavras simples e este comentário conciso, Alfredo resumiu a realidade do despertar anárquico no século XXI e a natural repressão que padecemos. Sem que caibam duas opiniões a respeito, voltamos a ser o pior pesadelo da dominação. Hoje o anarquismo de práxis se levanta com força e reclama imperativamente a renovação teórica-prática e a superação das experiências de lutas passadas, abandonando para sempre a museologia arqueológica, o covarde imobilismo e o protagonismo pose do acadêmico “progressista” (esse que se referiam os grupos de afinidades em um de seus últimos comunicados), para recuperar o seu espírito transgressor, a sua conflitividade constante e sua natureza destruídora. Na verdade, como me comentava alguns dos companheiros organizadores das Jornadas Informais Anárquicas / Simpósio Internacional, ante estes acontecimentos chocantes: a Idade de Ouro do anarquismo clássico, nos anos épicos em que as ações anárquicas se exaltavam como um paradigma subversivo indiscutível, as deportações, as prisões e os assassinatos de companheiros anarquistas estavam na ordem do dia. Quantas vezes não foram deportados e presos nossos companheiros de outrora? Quantos não foram mortos e/ou executados nas forcas das antiguadas monarquias e modernas repúblicas? Que hoje deportem, prendam e matem nossos companheiros é a prova plena do despertar anárquico, a melhor demonstração de vitalidade e frescor da nossa teoria e prática, a expressão mais forte de projeção anárquica. A partir de agora, já não podemos prescindir da práxis anárquica; hoje a reflexão teórica e a ação prática começa a se estabelecer no contexto histórico que lhes é próprio dando mais destaque aos companheiros recém-incorporados a luta anarquista que fazem ênfase na necessária comunhão entre ideias e ação, na urgência inescapável de levar a prática nossa teoria e de reverdecer nosso campo teórico a partir da prática. Lamentavelmente, o companheiro Alfredo Bonanno não nos acompanhará fisicamente neste gigantesco esforço de renovação teórico-prática. Nossos inimigos não podiam dar ao luxo de permitir uma aventura fundacional transgeracional de tais proporções por isso recorreram, mais uma vez, a proíbição e as exclusões. No entanto, esta gama imensa de vibrações comuns torna possível a realização destas Jornadas Informais, a recriação indiscutível dessa épica transgeracional que hoje se concreta através do anarquismo de práxis. Portanto, apesar das proibições e exclusões estarão ao nosso lado, cara a cara com o inimigo, todos os ausentes.

jCom nós estarão – pese as adversidades – nosso querido Bonanno; nosso irmão Gabriel Pombo Da Silva; a inolvidável Felicity Ann Ryder; Mario González; Stefano Gabriel Fosco e Elisa Di Bernardo; nossos afins Argyrou Panagiotis, Nikolopoulos Mihalis, Nikolopoulos Giorgos, Tsakalos Gerasimos, Tsakalos Hristos, Polydoros Giorgos, Bolano Damianos, Hadzimihelakis Haris, Ikonomidou Olga, Alfredo Cospito e Nicola Gai; Hans Niemeyer; Marcelo Villaroel; Freddy Fuentevilla; Juan Aliste Vega; Carlos Gutierrez Quiduleo; Mônica Caballero Sepúlveda; Francisco Solar; Víctor Montoya; José Miguel Sánchez; Hermes González; Alfonso Alvia e tantos outros irmãos e irmãs prisioneiras em restrição domiciliar e em fuga. E – por que não? – também estarão presentes os inesquecíveis: Sergio “Urubú” Terenzi, Claudia López Benaige, Jhonny Carique, Lambros Foundas, Xosé Tarrío González, o Punky Maury Morales, meu apreciado Rafael Spósito, Matías Catrileo Quezada, Sebastián Oversluij Seguel e tantos companheiros insubstituíveis que se foram, mas continuam mostrando o caminho. Que viva a Anarquia e se deixe ouvir bem forte a batida do seu renovado coração em todos os cantos do Planeta! Gustavo Rodríguez

México, 24 de dezembro de 2013

PS informativo: De momento, já sofremos o primeiro golpe. Como alguns compas já sabem, ontem à noite, esperávamos a chegada de Alfredo às 21h50 e ele nunca deixou o portão de desembarque. Perguntamos a Imigração e nos disseram que era por “questão de interrogatório”, que poderia se atrasar por 3-5 horas retido e que se depois desse prazo de tempo não saísse tinha sido negada a sua entrada no país. Seis horas depois, desesperados e preocupados, voltamos a perguntar e disseram que não estavam autorizados a dar informações sobre se havia ou não pessoas detidas ou deportadas nem as causas que levaram a tal decisão; no entanto, logo após a tentativa frustrada, os porcos me disseram que poderia ter sido transferido para as células do Terminal I para ser expulso, uma vez acordado o país de destino. Imediatamente me mudei para lá, mas também não tive qualquer informação esclarecedora, de modo que deduzimos que tinha sido deportado, o estranho é que nunca se comunicou comigo e teve seu telefone celular desligado, o que me fez pensar que poderia seguir preso no México. Bem, depois de esta pílula amarga, fica o bom gosto na boca de que, após três longas horas de interrogatório, eles deixaram entrar no país Constantino Cavalleri e a legendária Jean Weir, que compartilharão conosco suas reflexões e experiências nas Jornadas Informais. Curiosamente, durante o “profundo” interrogatório que lhes realizaram os agentes do Governo, ambos foram questionados se eram anarquistas e responderam que sim, e perguntaram sobre o “tipo de anarquismo” que professavam. Diante de uma pergunta tão absurda, tanto Jean como Constantino exigiram que fossem mais específicos, onde os interrogadores responderam que “havia um anarquismo bom e outro anarquismo mau”, capricho que completaram com a seguinte pergunta: “quem são seus heróis ou personagens lendários?” E arremataram com a questão do milhão de dólares: “vens ao Simpósio anárquico ou a Escuelita Zapatista?” Sem dúvida, a resposta a esta última questão deu-lhes a oportunidade aos agentes para alcançar, sem equivocações possíveis, a classificação antes mencionada.

This entry was posted in Carlos Gutierrez, Claudia Lopez, Gabriel Pombo Da Silva, Guerra Social, Jhonny Cariqueo, Lambros Foundas, Mauricio Morales, Mexico, Sebastian Oversluij Seguel, Sergio Terenzi (Urubu), Solidariedade, Xosé Tarrio Gonzalez. Bookmark the permalink.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *