Quem somos

A iniciativa da criação de um blog de contra-informação na região controlada pelo Estado brasileiro nasceu da vontade de alguns/as individuxs em difundir idéias e práticas  contra as relações de poder,  presentes na vida cotidiana de cada umx.  Nesses tempos “contestatórios”, muita gente se encontra nas ruas, a maioria talvez, pedindo algumas reformas políticas para se sentir menos exploradxs, pensando que com reivindicações moderadas poderão remediar o irremediável. Outros, porém, saem dos bueiros, cheixs de raiva contra o sistema , movidxs grande parte das vezes pela explosão instintiva de uma raiva acumulada, pela necessidade incessante de atacar tudo que xs oprime e xs humilha diariamente. A destruição das instituições públicas e das propriedades privadas é uma resposta concreta á violência cotidiana dos Estados, á negação das vidas de seres humanos e não humanos  com os  grandes projetos de mineração e geração de energia, que só procuram intensificar a exploração e a morte da Terra…

Quando criamos um novo espaço na rede é buscando gerar um canal de comunicação entre rebeldes, uma necessidade que se mostra cada dia mais latente em meio ao atual contexto de guerra social que se está intensificando no território controlado pelo estado brasileiro e do qual não pretendemos informar de maneira neutra ou imparcial. Vemos com bastante desanimo a postura moderada e silenciosa que assumem espaços “consagrados” de contra-informação como o CMI Brasil em meio a um conflito crescente, ao mesmo tempo em que somos testemunhas de um uso desenfreado e irresponsável das redes sociais, como Facebook e Twiter, que funcionam como dispositivos de controle e fomentam a banalização de uma constante vigilância a cada mínimo espaço de nossas vidas.

Como anti-autoritárixs estamos decididxs a assumir um posicionamento nesta guerra que não pretendemos que seja de vítimas ou espectadorxs, acreditamos que a luta se leva por várias frentes, por práticas diferentes e multiformes.Como projeto de contra-informação vemos a necessidade da propagação de uma luta de rua violenta, que tem se dado em resposta a violência cotidiana promovida pelo Estado e legitimada pelos meios de comunicação, além de buscar expandir todo tipo de prática/idéia que visem a destruição da autoridade e que busquem a construção de outras maneiras de existir e se relacionar . Acreditamos que a difusão destas informações é uma maneira de contribuir na dissipação da revolta e na intensificação de uma tensão constante contra o poder.

Também sentimos uma profunda necessidade que se criem espaços de difusão e solidariedade as pessoas presas e perseguidas em conseqüência dos recentes e cada vez mais intensos enfrentamentos de rua. Fortalecer uma rede de solidariedade é em nossa opinião a melhor forma de resposta ao quadro de repressão que aparece em oposição a uma resistência que vem ganhando força, recusando com firmeza o jogo do culpado/inocente que utiliza como parâmetro a lei, mecanismo de manutenção do Estado e Capital.

Quando falamos em rede, o que queremos é justamente fomentar o máximo de colaboração de individualidades e coletivos, estimular que xs companheirxs de distintas latitudes e longitudes deste território estejam escrevendo notícias e análises, para isso disponibilizamos nosso contato de maneira que nos enviem tais informações. Mandamos toda força e desejo que sigam firmes xs que se posicionam em guerra frente ao existente, que se expanda e se multiplique a rebelião, que viva a anarquia!!!!!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *